Se perguntarmos qual o sentido da vida, uns dirão que é casar e constituir família, outros dirão que é conseguir um bom emprego e ter um bom salário. Uns dirão que e comprar uma casa ou apartamento e um carro de luxo, outros dirão que e ficar rico e famoso. Uns dirão que é ter dinheiro e poder, outros dirão que e viajar e conhecer o mundo.

Uns dirão que ainda não pensaram nisso, outros dirão que não sabem. Enfim, ouviremos muitas respostas, mas dificilmente a resposta certa.

Somos espíritos imortais temporariamente encarnados em um corpo físico e em determinadas famílias, ambientes e situações de acordo com nossos laços cármicos e nossas necessidades evolutivas, e o objetivo maior da nossa existência e a evolução espiritual, e o nosso aprimoramento. Aí está o verdadeiro sentido da vida.

O sentido da vida é a busca da evolução espiritual.

O sentido da vida não está nas coisas materiais, nas posses, títulos, dinheiro, prazeres terrenos, posições sociais, poder, etc. Todas essas coisas são apenas meios para o nosso desenvolvimento, mas não um fim em si mesmas. É por isso que, na morte, todas elas, sem exceção, ficam por aqui.

O sentido da vida está em buscar as coisas que verdadeiramente ficam agregadas ao nosso ser e nos elevam ao estado de espírito puros, objetivo maior na nossa existência. Estas coisas são as virtudes, como humildade, caridade, paciência, serenidade, tolerância, perdão, etc., que conseguimos através da reforma íntima e da conduta no bem, e o conhecimento, que conseguimos através do estudo e trabalho.

O sentido da vida é estar em sintonia com o ritmo das leis divinas que regem o Universo. É buscar o resgate das faltas cometidas ao longo da nossa existência milenar. É buscar o reajuste, reconciliação e harmonização com nossos desafetos. É cuidar de forma adequada do corpo e do espírito, tema que veremos no capítulo Mente sã em corpo são. É desenvolver as asas de amor e sabedoria.

Tudo isso é o sentido da vida porque tudo isso faz parte da nossa evolução espiritual.

Deus nos criou perfectíveis, destinados a nos tornar espíritos puros, através do aprendizado e prática das suas leis ao longo da nossa existência, e esta vida material é mais uma oportunidade que Deus nos dá para este aprendizado. A essência deste aprendizado é a prática do amor, conforme nos recomendou o mestre Jesus: “Amar a Deus e ao próximo como a nós mesmos”.

(J. Dutra, Encontrando e Vivenciando o Sentido da Vida, 2016).

José Dutra

Psicoterapeuta Reencarnacionista

Autor de livros:

  • Encontrando e Vivenciando o Sentido da Vida;
  • Espiritismo para Iniciantes e Iniciados;
  • Vivenciando a Reforma Intima.

Professor de Espiritismo, Evangelho e Educação Mediúnica
e-mail:  [email protected]

Deixe um comentário